quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

quem sou eu?

sinto-me farta; sinto-me incompleta
as vezes burra, de tal modo insegura
sem criatividade
sem amigos, em suma nada!
que sou? para onde estou indo?
sabes a resposta carinho?
sou de tudo um nada
de longe uma figura; de perto nem sei
um auto-retrato desfocado
desbotado, sem luz nem cor
sem razão nem triunfo...
o que sou e para onde vou?
digá-me você baby
sou de tudo um nada
amargura passada
um destino sem rumo
um futuro incerto...

sábado, 13 de novembro de 2010

apenas uma palavras soltas de uma louca....

Somos produtos, produtos de um sistema social, pesado tenso; muito longe das utopias que sonham os grandes, que querem os pobres...
vivemos em mundos diferentes a cada passo, nunca estamos no mesmo lugar ou na mesma vibe...
o quê que é isso tudo? por que o mundo está de cabeça pra baixo?
por que as pessoas são tão mesquinhas e tão banais?
não entendo como chegamos a este ponto tão crucial de nossa subsistencia, somos algo controlável, algo que não posso definir nem tentar entender...
aqui fica só a minha indagação:
Por que deixamos nos tornar tudo isto?

terça-feira, 9 de novembro de 2010

indio

você faz com que eu me sinta uma menina
você sempre se comporta como o adulto que é
e isso me deixa louca...
como posso resistir ao teu charme "indio"
você sempre tão seguro de si
sempre tão charmoso, teu sorriso simples me condena a alma
me leva a loucura
sinto-me uma adolescente outra vez
apaixonada pelo seu professor
um amor platônico, um romance impossivel
assim como o nosso, amor!
sinto-me quente quando me olhas
minhas bochechas coram ao encontro de nossos olhos
és tão gentil comigo
que imagino... é real? você realmente está me dando corda?
um sinal verde?
e hoje pela manha quando te encontrei
seu sorriso foi o mais perfeito do mundo
seu "oi" foi o mais doce possivel
é amor o que sinto? ou apenas sinto-me segura ao teu lado?
é amor ou eu me sinto tão vazia que fantasio as coisas?
meu "indio" me dê um sinal mais claro
suas mensagens confusas me confundem...
todas as noites antes de dormir eu penso em você
eu sonho com você, eu acordo pensando em te ver!
indio, sou louca por ti
dê-me logo tua resposta ou continue me iludindo
sinto-me feliz de qualquer forma
porque de qualquer jeito estarei aqui
sempre olhando você
sempre fantasiando algo com você...
você é meu indio, meu anjo da guarda

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

menina mistériosa...

eu não sei o porquê, e nem sei como, mas você acordou de modo estranho menina, você não se comporta como antes, você não está sendo a mesma, as coisas mudam crescem, tudo muda e você parece não entender isto, o que tens menina? o que te passas? que tens em mente? estás complexa para mim, estás muito pensativa; menina o que te passa? que tens hoje? não consigo ver através de seus olhos tão estudiosos entende-la...
não consigo ver o que se passa em tua cabecinha tão ingenua, tão prima e tão engrandecida, o que houve pequena? quero muito te entender, quero muito te ajudar, menina o que queres de mim? és tão plena de sí, és tão segura de tudo,sempre dona do mundo sempre dona da razão; as vezes queria ser como você outras prefiro ser eu, menina você diz que sou concescendente, você diz que sou boazinha demais, mas e você o que és por definição? todos temos algo dentro de nós que não nos agrada, eu tenho meus medos e externamente minha falta de atrativos me incomoda, mas e você? o que te incomoda? menina cheia de mistérios, sempre com uma frase afiada para com os outros por que julgas tanto? por que não te aquietas? menina preciso muito te entender...

domingo, 31 de outubro de 2010

Anjo

hoje sinto-me sozinha, incompleta, falida...
você não me parece feliz, e acho que isso é parte minha
parte de mimque te faz mal, parte de mim que te anceia e não tem
por que tenho que ser tão triste, por que não posso ter tudo que quero?
anjo, por que me deixas ao relento, por que não me salvas?
sonho noite e dia com você meu anjo,
com a data que tú virás me tirar de tal poço de tal morbidez
com o momento em que serei sua por completo e você será meu
que nossos corpos se unirão em uno
no dia em que nossa luxúria será motivo de olhares curiosos
no dia em que as pessoas verão nosso amor como um conto
ou uma bela historia de romance antigo
por que você não vem anjo, e me tira deste desassocego?
tira-me deste infinito de solidão
dê-me uma chance de te provar
de saber teu sabor, de sentir teu calor anjo!
de sentir tua boca encostar a minha, sua lingua enroscar na minha
seu peitoral quente junto ao meu desnudo de qualquer outro sentimento a não ser o nosso...
quero você noite e dia anjo, volta e vem me ver
volta e vem me ter...
meu anjo negro caído na noite sombria de meus anceios...

sábado, 30 de outubro de 2010

Georgie IV

- eu bem que lhe avisei - rosnou seu pai
- como assim pai? como você sabia? o por que está aqui? não entendo o que está acontecendo...
e realmente ela não entendia, ela não saberia o porquê, mas seu pai havia executado seu misterioso plano, a misteriosa mulher era sua última cartada, ele sabia que com uma traição seria dificil continuar tal romance, e o Carter caiu como um menino, seu amor pela G não era o suficiente, ela não lhe era o suficiente? o que realmente tería acontecido então? tudo foi meticulosamente explicado por seu pai que com um sangue frio, ele havia trazido tal mulher já no intuito, ele a havia colocado em seu caminho e o resto, foi por conta do próprio Carter... ele a traiu ele optou por tal caminho e disso o seu pai não poderia ser culpado...
Georgie se sentia mal, sentia-se morta, ela não suportava esta idéia, mas qual outra poderia ser a certa? a resposta era NENHUMA! tudo havia se desenrolado naquela tarde primaveril, tudo rodava solto em sua cabeça, nada era certo, nada estava mais no lugar, então como fuga de si e de seus problemas a G fugiu, ela corria desesperadamente sem rumo seguia apenas seus instintos, apenas corria, não queria parar não deveria olhar para traz, não poderia mais apenas chorar ela era uma mulher, estava adulta e desamparada, ela apenas corria, e quando finalmente ela não aguentava mais correr ela parou e sentou-se em uma enorme rocha a sua frente, chorou as lagrimas do mundo, foi então que pensou com mais calma e foi em direção a uma estalagem, entrou e foi ali que decidiu que faria com os homens o que eles tinham feito com ela, iria ser uma quebra-corações, seria a mulher a qual jamais amaria alguém, ela apenas destruiria corações por ai como um vicio, ela virou uma mulher da vida, o que não faz um amor perdido?
the end.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Georgie III

seu pai já tinha algo em mente, algo muito maquiavélico, muito bem estudado, o coronel Demócrito era uma pessoa muito inteligente, um senhor de engenho muito respeitado em sua região, com vários homens a lhe bajular, não sería díficil arranjar ajudantes em sua missão...
mas será mesmo que ele poria em prática suas maldades contra um homem que nem conhecia e que estava a fazer sua filha muito feliz? essa resposta nem a própria Georgie sabia! então foi ao encontro com seu amante como costumeiramente no jardim, sempre anquele jardim, ela não entendia o por que de se sentir tão atraída por tal local, mas mesmo assim nunca deixava de frequentá-lo, mas foi chegando lá que suas angústias e medos sumiram, estava lá sentado na beira do riachinho seu homem, seu amante...
ele a olhava com dor em seus olhos com uma lrágrima a escorrer em seu doce rosto, tão masculo e tão imponente, mas agora ele parecia frágil e dócil, ela não entendia o porquê, nem o que lhe deixara tão transtornado, porém ao sentar-se ao seu lado logo sua dor cresceu...
- olá meu anjo, preciso dizer-te algo, algo muito grave - disse-lhe Carter
- sim meu amor, diga-me o que tanto te anceia
- eu te traí meu amor, eu não pude conter meus instintos de homem, sobre aquela mulher tão misteriosa, eu não me sinto bem ao dizer-te isto, porém seria necessário o teu perdão...
G não sabia o que dizer, naõ sabia o que fazer, só imaginava o amor de sua vida nos braços de outrem, ela não queria pensar naquilo, mas também não conseguia perdoá-lo, e agora? o que sería sua vida daqui para frente? ela o perdoaría e continuaria seu romance? ela faria juz ao que seu pai lhe dissera e procuraria um bom partido, esquecendo de suas mágoas em um casamento frustrado? ela não sabia o que pensar ela não sabia o que fazer...
foi quando não mais que de repente seu pai aparece-lhe a frente com seus capangas como companhia, o que ele faría? o que estava acontecendo?
to be continue...

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Georgie parte II

Tudo foi tão rápido, a paixão e depois o amor... A entrega dos corpos, das almas em sí, seu pai era um homem mal, um homem sério, e Georgie não sabia até que ponto disto seu pai poderia ir para impedir o seu romance... até onde isto iria? O que lhes aconteceria? O que sua mãe permitiria, ele era o homem da casa, mas nesta casa a última palavra era sempe de sua mãe; a Victória era uma mulher forte e muito avançada para sua época; pouco disso lhe tomou a G; a G sempre se mantinha quieta e calada, sempre muito educada, o contrário de sua mãe que gostava muito de opinar em tudo, e sempre metia-se nas conversas dos homens (convidados de seu marido), gerava muitos risos e algumas vezes espanto, suas idéias eram brilhantes, foi assim que seu marido subiu na vida, seguindo seus belos conselhos, isto era um segredo do qual nem a Georgie sabia...
A G continuava a encontrar-se com seu belo Carter, ela sempre ia ao mesmo lugar, sempre aquele jardim o qual tornou-se palco de partes emocionantes de sua vida, de aprendizado, amor e dentre tudo de seu amadurecimento. O Carter sempre lhe ensinava algo de novo, sempre lhe fazia sorrir, mesmo nesses tempos tão ingratos que viviam...
Ela amava-o e ele a fazia entender que era recíproco, eles eram felizes até a chegada de uma certa mulher misteriosa na cidadezinha, ela era voluptuosa quente e muito, mas muito linda, não tinha a beleza de boneca da G, tinha um estériotipo de mulher vivida, e isso deixava todos os homens da cidade mexidos, o que dispertou em G uma inveja imensa, um dejeso secreto de ser como ela; de ser perfeita em tudo e de fazer os homens terem ereção só de olha-la, de ser desejada da mesma forma, o que a deixou muito para baixo nestes dias...
E claro Carter como qualquer outro homem a olhava da mesma forma (a forasteira) isso lhe consumia, lhe comia por dentro e seu amor foi esfriando, porém nunca diminuindo apenas sentia tristeza; seu pai andava muito silenciosamente neste periodo o que lhe fazia achar que ele iria aprontar algo, só desejava saber o que!
to be continue...

domingo, 24 de outubro de 2010

Georgie

existe um jardim, e este jardim a ninguém pertence; mas mesmo assim ela sempre vem, ela sempre o frequenta; ela sempre vai ao mesmo lugar...
uma àrvore perto do riachinho do qual ela sempre se banha; ela é pura como uma criança deve ser, ela é um anjo, linda como um raio de sol, fina como uma bela dama de sua época sería, seus longos cachos pendiam em suas costas num brilho dourado tão gracioso como seu sorriso, seus olhos de um âmbar impar, seu vestido de menina rica num tom de rosa combinando com suas botas creme, seu pai muito rico sempre lhe dara de tudo, porém nada a satisfazia mais do que frequentar este jardim, este simples jardim.
hoje ela estava a banhar-se neste riacho quando viu o que mudaria sua vida, o que mancharia seu coração de odio posteriormente, ela viu o amor!
ela conheceu o Carter, um lindo jovem vindo de uma outra cidade interiorana, ele era lindo um moço muito educado muito simples, eles banharam-se juntos, dançaram juntos e conversaram bastante e depois partiram cada qual para seu lugar...
dias passavam e eles tornavam a se encontrar, começaram a ficar mais intimos e esta intimidade começou a leva-los ao amor e assim eles se perderam juntos viviam juntos, mas nada de agrado de seu pai, nada de agrado de sua familia...
ai sim começa seu inferno, Georgie, viu ao fim como era ser não aceita, como era não estar em casa, ser estranha ser fútil, ser criança...
G conheceu a morte, G morreu por amor...
to be continue...

sábado, 23 de outubro de 2010

nós dois

eu acordei com você ao lado; eu tive uma noite de sonhos e dos quais você fez parte. eu nunca pensei que isso poderia ser possivel, nunca imaginei nossos corpos tão interligados, tão intimos um do outro, tão pertencentes a nós, tão unidos em um só, você matou a curiosidade em mim, proporcionou-me o deleite de teus lábios, os afagos de tuas mãos, o roçado de nossos corpos, não me entenda mal, eu não estou apaixonada, me apaixonei pelo ato em sí, pelo fato de sermos tão perfeitos em ato, cheio de encaixes tão proporcionais, tão perfeito...
uma noite apenas, uma madrugada de ecstasy.
você me parece tão belo, tão simples e nada vulgar, amei sua companhia, amei seu corpo e amo ainda mais o relacionamento de entendimento que temos, nos entndemos sem pronunciar nenhuma palavra, basta apenas teu olhar, um sorriso seu e eu já imagino o que seja, você é amigo e fiel.
e nesta noite em que passamos da calçada, que atravessamos a avenida, eu vejo o quanto perdi em não te ter comigo antes, você foi fogo enquanto eu àgua, abrandamos nossas inquietações nossos medos, um aos braços do outro e nesta noite tudo pareceu certo e perfeito...
não só em relação ao ato, mas pelo que foi dito e pelo que não foi dito
somos nós amigos inseparáveis, fiéis de um segredo
amantes por natureza...
e eu acordo: TUDO ISSO FOI UM SONHO!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

para Alysson...

eu vejo em seus olhos a doçura em teu ser
eu vejo em seu corpo, o movimento sempre premeditado
você, pensa e pensa muito antes de agir
mas, mesmo assim
consigo ver dentro de ti, meu anjo
o amor que podes dar
a ternura que queres compartilhar
és pura esperança em tempos de cóleras
és música em meus ouvidos
o companheiro de minha agonia
estás sempre por perto anjo,
sempre a cuidar de mim
sempre a zelar por mim
eu me perco anjo dentro da doçura de teu sorriso
dentro deste penetrante olhar de curiosidade
a curiosidade de um anjo para entender uma sucubus
para me entender
não sei te definir anjo, és de tudo perfeição
és o afeto que procuro
o amor inanimado
um sonho primaveril
uma nota na canção
a rima de um verso
és o amigo fiel
a doçura de um amor
o cheiro da terra quando chove no verão
ao ficar longe de ti
sinto-me incompleta
és de tudo parte de mim
o amigo, escudeiro, o fiel de meu segredo
a parte de mim que não veio
és tu anjo
és Alysson...

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

desejo

eu não quero mais...
eu não posso mais...
me ajude anjo, não enchergo a volta
eu não vejo o caminho, eu quero voltar
mostre-me a vida que talvez eu possa ter
ensine-me a ser feliz...
diga-me o que fazer ou o que dizer
não quero a minha vida neste absurdo
cante para mim, anjo, músicas de ninar
faça-me carinho, para que eu possa sonhar
para que eu possa sorrir
para que eu possa voar
por que estou aqui ainda?
por que não posso estar ao seu lado anjo
sendo cuidada por ti
para que nenhum mal me pegue
para que nenhuma pessoa
me destrua, me iluda
eu te amo anjo
sei que sabe, sei que quer
sei que me procuras
que segues meu rastro
eu gosto disso, eu quero
sinto sede de você
e sei que tentas por mim
tens sede, tens a luxuria divina
tens o desejo mortal por minha carne
por minhas curvas e entradas
tens a fome de mim
o calor de meu fogo
eterno e sem chamas
quente por natureza
liquida de prazer
oh anjo vens
tira-me de meus medos
possua meu corpo e leve-me consigo
para um mundo onde não haja dor nem morte
leve-me para ser tua eternamente...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

eu sou apenas uma mulher de meia idade...

eu olho as sombras ao meu redor e começo a devaguear sobre coisas que nem sei por que penso, eu olho minhas mãos como se não fossem minhas; eu piso no chão como quem tem medo de doer, eu me toco como criança curiosa; eu tomo banhos demorados por puro prazer, eu como muito pra tentar me convencer, eu estudo muito procurando o que não ser; eu olho bem o caminho em que vou passar, eu limpo tudo e não piso em linhas...
eu estou louca?
não!
eu estou obcecada pelo que não é meu pelo que não sou eu...
eu sou uma mulher já na idade de ter netos, meu espirito sempre foi velho em mim; eu já tenho coragem pra sair, eu achei que a tinha perdido; eu encontrei um refúgio pra ficar, um lugar onde nada nem ninguém possa me alcançar, possa me fazer voltar, eu sou uma mulher numa época diferente, tenho séculos para crescer, e um milênio para morrer, eu sou uma mulher...

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

saudades

to triste, você não está mais neste mundo; e eu chorei; não tinhamos algo longo ou demorado, mas tinhamos um bom convívio, tinhamos uma vida...
sinto falta de vocês que partem sem nos levar... de vocês que vão antes da hora, amigos, sinto muito sua falta, sinto-me incompleta, destruída, sozinha deprê...
me levem logo; venham me buscar, quero muito aliviar a minha dor; quero muito deixar de sofrer...
quero conhecer o outro lado... nunca mais me deixem, voltem e me levem com vocês; sinto sua falta, sinto...
descansem em paz, e olhem por mim enquanto nao vou ai morar com vocês...
muitos sonhos se despedaçam, mas se for para entender melhor tudo eu prefiro partir, e eu sonho com o dia que verei, que verei todos vocês...
saudades

domingo, 17 de outubro de 2010

Petter Pan

eu hoje olho, penso, eu reflito; como pude me deixar levar por devaneios tão obstante da minha realidade; de meu ser de meu querer, eu fui uma boneca, do tipo que você monta, maquia e depois desmancha tudo...
você usou e abusou de minha inocência de meu sofrer de meu mal amar, meus erros suas vitórias; meus deslizes, seus pontos fortes em mim; você foi meu maior bem e meu maior mal, e você sempre estará lá, no final de meu túnel esperando meu fracasso esperando a melhor oportunidade de rir de mim, como riu todo o tempo em que estivemos juntos, tempos os quais eu era feliz e nem sabia...
tempo que se foi e não volta mais, tempos bons de "o pior cego é aquele que nunca quer ver", tempos de desespero meu por te amar tão intensamente e não cuidar de mim, eu deveria ter construído muros em volta de um coração que hoje se encontra amargo e gelado sem nem um amor pra dar! mas sabe o melhor? é que depois de tudo isso, depois de tudo que me fez; você ainda me fez algo de bom, você me fez crescer; me mudou, me fortaleceu e neste jogo baby, eu já não perco assim tão fácil agora.
só tenho a lhe agradecer por isso; sua infantilidade despertou minha adultez; despertou em mim o principio da mudança, a busca pela transcendência; pelo logos; pela alma a psiché; eu agora tenho a tecné de você, já sei seu jogo, entendi sua sindrome Petter Pan... eu serei sua Wendy, eu vou seguir em frente e vou crescer enquanto você brinca de ser jovem; por que seus pais ainda vão estar ai para você; mimado careta, mas mesmo assim o amor de minha vida, o menino pelo qual me apaixonei ainda mora ai bem dentro de você escondido em sua fase atual de decadência e absurdo; mas eu vou seguir em frente; eu tenho amigos, meus muros de arrimos, minha fortaleza contra você...

sábado, 16 de outubro de 2010

você

estava eu, em cima de uma arvore olhando o mar que se estendia pelo horizonte; pensando no dia em que você me notaria, e eu pensei que este dia havia chegado no dia em que nos entrelaçamos; e nos doamos um ao outro; doce e pura ilusão, nunca te tive assim como nunca quis me ter, era carne era medo, era apelo, erámos nós; erámos dois...
estou bem; você me fortaleceu, você soube me levar; eu apenas projeto algo que nunca dá certo; eu busco eu corro, mas vale apena? eu posso ser feliz? eu posso ter alguém pra chamar de meu?
eu saio da arvore, eu corro pelos campos perto do mar eu olho da ribanceira eu quero jogar-me eu olho do alto, a contemplação de um ser, a autonomia de meu viver a depressão de meu ser o tempo que já passou o tempo que ainda passará, meus olhos marejam meu sorriso agora está torto, eu não sei mentir; eu ainda não te perdoei, eu ainda amo você; estou ficando velha; não tenho filhos ou marido, nem mesmo um bom lar; eu vivo na rua onde posso me encontrar, meu eu não se atualiza, vivo em constante regresso, meu mundo caiu, nas ruínas  do teu pesar não desejo tua volta; só um dia te esquecer.
como você nunca amei ninguém, por você nunca mais o farei, penso em você quando deito quando acordo e quando finjo não me importar com você; nunca soube lhe dizer o que era necessário; nunca pude lhe dizer um adeus...
eu volto pra casa eu quero dormir, dê-me o remédio que me dará a alforria, dê-me o necessário para morrer em um dia... dê-me a paz que eu ainda não achei, me dê o descanso que eu mereço por favor...
seja bonzinho e me deixe em vantagem com você...
eu chego em casa e deito em minha cama, você nunca estará mais lá, vou para o banheiro onde me tranco pra chorar, volto ao quarto soluço bastante até o sono me pegar...

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

meu mundo

eu vejo no mundo o que não consigo ver em mim, eu paro e reflito, mas nem assim meu dia pode ser entendido, como posso estar tão perdida? o que me tirou o rumo? o que me trará ele de volta, e o melhor será alguém que o trará? eu não sei! eu não me entendo eu não consigo ver nada de bom em mim...
o que você vê? posso ser normal, o mundo vai parar de rodar para eu descer? não sei...
minha vida costumava ser legal, até eu descobrir que era tudo uma ilusão, tudo falácias, juras mentirosas falsos amores, falsos pudores... meu eu não aguenta tanta dor, mas minha vida sem música nada seria, só elas para aliviar ou aumentar a minha dor...
o amor comeu minha vida, o amor comeu minha razão; o amor me levou de mim...
hoje sou nada de nada um ser sem alma, um corpo sem sentido...

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

this is me

eu acordo em um lugar diferente, onde sou aceita pelo que sou e nao pelo que represento, isso me agrada tanto, me deixa tão sonhadora; e eu olho para o lado, eu vejo amigos; eu vejo voce; eu vejo a mim refletida em todos eu quero muito isso; eu preciso disso! mas frases vulgares vem em minha mente rondando algo que não quero ser, algo que você impôs a mim! eu erro, mas quem nunca errou e eu sonho com o dia em que meus erros nao machucarão ninguém; o dia em que eu não serei a culpa de nada em ninguém...
eu estou viva? o que é isso penso nos outros antes de mim; posso ser eu? me deixe ser eu...
por que eu ando por caminhos obscuros onde me perco sem fim; por onde você nunca está, por onde ninguém poderá me ajudar... e eu rezo para qualquer um que escutar minhas preces, que me dê descanço que me leve daqui e que me dê a paz que eu não encontrei ainda; eu olho para o céu na esperança de ser atendida, mas eles não me escutam, eles não respondem, o que faço? como posso ser feliz num mundo tão cheio de desgraças, num mundo tão decadente; eu quero paz! eu quero um amor pra vida toda... eu quero um conforto, eu quero seu consolo; eu quero minha paz merecida...
entao dê-me um gole de cicuta, e livre-me da dor de sofrer por algo que desconheço; mas mesmo assim tão na fossa eu me enchergo, eu sou maior que isso, eu posso superar, mas meu mundo ainda não me superou...
mas eu me amo, de um jeito torto, mas amo... e de hoje em diante minha vida será assim eu grito eu corro eu choro, mas eu vou viver...

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

meu primeiro blog

eu nao sei como vim parar aqui, nem sei ao menos como manipular isto, mas eu tento e eu sigo tentando, eu quero aprender; eu quero alguém pra me ensinar, pode ser vc ou pode ser ninguém ou mesmo a vida que me empurrará para um algo mais ou nao ja diria meu professor de lógica; eu só quero me encaixar em algum lugar onde a vida seja mais facil ou até mais tolerável pode ser vc...
ou pode ser eu mesma que nao consigo ver o que tem de melhor em mim e nos outros; eu só queria que tudo fosse um sonho onde acordo e nada de ruim possa ter me acontecido, eu só desejo um simples desejo: "hoje eu só quero que o dia termine bem" hoje eu só quero ser alguém e se vc ler isto nao me entender bem vindo nem eu me entendo as vezes ou melhor muitas vezes...
por que te de ser assim? por que não posso ser feliz, por que vivemos entre cobras e largatos? por que nao posso ser alguém, or que não posso ter você!