segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Georgie parte II

Tudo foi tão rápido, a paixão e depois o amor... A entrega dos corpos, das almas em sí, seu pai era um homem mal, um homem sério, e Georgie não sabia até que ponto disto seu pai poderia ir para impedir o seu romance... até onde isto iria? O que lhes aconteceria? O que sua mãe permitiria, ele era o homem da casa, mas nesta casa a última palavra era sempe de sua mãe; a Victória era uma mulher forte e muito avançada para sua época; pouco disso lhe tomou a G; a G sempre se mantinha quieta e calada, sempre muito educada, o contrário de sua mãe que gostava muito de opinar em tudo, e sempre metia-se nas conversas dos homens (convidados de seu marido), gerava muitos risos e algumas vezes espanto, suas idéias eram brilhantes, foi assim que seu marido subiu na vida, seguindo seus belos conselhos, isto era um segredo do qual nem a Georgie sabia...
A G continuava a encontrar-se com seu belo Carter, ela sempre ia ao mesmo lugar, sempre aquele jardim o qual tornou-se palco de partes emocionantes de sua vida, de aprendizado, amor e dentre tudo de seu amadurecimento. O Carter sempre lhe ensinava algo de novo, sempre lhe fazia sorrir, mesmo nesses tempos tão ingratos que viviam...
Ela amava-o e ele a fazia entender que era recíproco, eles eram felizes até a chegada de uma certa mulher misteriosa na cidadezinha, ela era voluptuosa quente e muito, mas muito linda, não tinha a beleza de boneca da G, tinha um estériotipo de mulher vivida, e isso deixava todos os homens da cidade mexidos, o que dispertou em G uma inveja imensa, um dejeso secreto de ser como ela; de ser perfeita em tudo e de fazer os homens terem ereção só de olha-la, de ser desejada da mesma forma, o que a deixou muito para baixo nestes dias...
E claro Carter como qualquer outro homem a olhava da mesma forma (a forasteira) isso lhe consumia, lhe comia por dentro e seu amor foi esfriando, porém nunca diminuindo apenas sentia tristeza; seu pai andava muito silenciosamente neste periodo o que lhe fazia achar que ele iria aprontar algo, só desejava saber o que!
to be continue...

Nenhum comentário:

Postar um comentário