quarta-feira, 6 de julho de 2011

Minha vida, meu amor

Minha vida neste momento acompanha um temporal,
sim, meu caro um temporal...
Foi aberta as comportas, salvem-se quem puder...
Meus sonhos foram destruídos esmagados exauridos...
De forma cruel, pedante, autoritária...
Todo um desejo, uma vida, um empenho!
Lixo meu caro, tudo virou lixo...
Mas, menina eu que sou,
Ainda brinco, sim eu brinco...
Brinco com as palavras, faço delas meu escape;
Faço da poesia morada de mim...
Do amor que ainda sinto; minha Phylo
Minha linda, Sophia...
Guardarei de ti, meu amor, minha glória primeira;
Pois que o carrasco a tirou de mim,
A levou para longe...
Destruiu minha vida, meu sonho...
Meu rumo a você;
Minha linda e amada Filosofia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário