quinta-feira, 29 de novembro de 2012

...

Eu não te procuro mais...
eu te espero e você vem...

Tu

E de tanto me perder em teus suspiros me achei em tua cama;
Embebecida por tua enebriante forma de beijar...
De me amar, de amar meu corpo, de me fazer chegar ao ápice...
De me fazer desejar-te cada dia, hora, minuto segundo...
Quando tocas minha pele nua, sinto teu toque como quem sente a alma;
Sinto teus dedos deslisando em minha pele como que excita uma cobra...
Sonho com a noite em que me tocarás por inteira...

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Fuga

E de tanto fugir de mim, de você, de nós...
Fugi de quem eu realmente eu sou, posso ser e serei...
fugi do mundo, da vida, do amor...
Agora chega de fuga, vamos viver o tempo do agora...
Pedindo desculpas pro amanha, e rindo do ontem...
a única coisa de que vou fugir agora é do que já conheci,
Do que for de ruim, do que não for pra mim...
Hoje vou lutar, correr, partir...
Hoje eu vou sonhar...

quinta-feira, 31 de maio de 2012



A dor que vê em meus olhos são apenas reflexos do caos que você deixou ao passar por mim...
 Mesmo assim te agradeço por tudo que fizeste meu coração sofrer, por que só assim apredi a me amar...
Dos pesares os piores,
dos males meus menores...
De você meu mundo...
De mim um poço sem fundo...

no name



E nunca importará com quantos eu saia,
Depois que te vi, te conheci, que te tive em mim...
Não importará quantos me desejem;
Não importará quantas vezes eu parta meu coração...
Ou quantas vezes eu venha a chorar, a cair, a sentir dor...
Nunca importará o quanto eu me sinta incapaz, ou fraca
Por te amar assim, por me apaixonar pelo proibido;
Pelo doloroso...
Mas foi teu sorriso o culpado, teu olhar sereno, tua boca tão linda...
fui atraída, como uma mariposa à luz...
Aos poucos me dominaste como nenhum...
E hoje me encontro lutando, para desistir de tudo que me fizeste...
De tudo que construíste em mim...
Apenas por que você me pediu...

terça-feira, 15 de maio de 2012

Nosso momento




Em uma noite tão linda quanto teu sorriso;
Uma noite tão calam quanto teu olhar;
Um momento tão único,
Tão próprio, tão teu, tão meu, tão nosso...
Haverá a união, haverá pacificação
Haverá amor, tão puro e limpo quanto nós...
Tão forte quanto um dia foi;
Em um dia em que o sol brilhará por nós...
Um quente, fresco, e belo
Belo como um campo de flores,
Simples como sempre fomos
Calmo como a brisa que nos toca
Firme como teus toques em mim,
Morno como os beijos que um dia trocamos;
Melodioso como a canção que toca na radio...
Que neste momento toca a nossa canção...
Aquela que te ofertei com tanto carinho
Afago, empenho, valor, e afeto...
A ouço agora, sim a ouço pensando em ti
Pensando em nós, pensando em você
Nas possibilidades, de um dia claro,
Claro como um cristal, lindo como um lírio
Uma noite ornamentada com a paz,
A paz de corações resolvidos;
E será nesta noite, a noite que nos completaremos
Que nos tornamos uno, em dois...
Dois corpos

Aline





Então ela o olhou, o olhou como nunca havia feito antes;
E assim desejou que nunca o tivesse feito...
Ela viu, viu que em seus olhos moravam as dores,
a tristeza, o descaso...
Assim a donzela o desejou mais que nunca
Desejou cuidar do jovem, desejou amá-lo como antes
Desejou assistir sua re-erguida, seu regresso ao mundo,
Mas foi assim que ela chorou, chorou todas as lágrimas
possíveis e e imagináveis, frias como suas noites...
Chorou a culpa, a mágoa, mas nunca o arrependimento!!!
Chorou a falta de fé do seu amado
A falta de fé por seu amor, tão puro como água
tão claro como cristal, tão verdadeiro quanto você e eu
Mas ela se ergueu, decidiu ser forte, decidiu amar!!!
Amar em silencio, amar de longe, cuidar de longe,
E foi a promessa mais bela que um dia já vi!!!
Um amor verdadeiro, um carinho não recíproco
Uma canção sem letra;
Um destino sem fim, um caminho ir-retornável
Ela decidiu viver, e sua vida em si traduz
A beleza mais rara, da pessoa mais pura
De um amor doente, de um carinho nunca ausente!!!
Ela decidiu não mais chorar;
E munida de amigos, tanta dor suportar!!!
Seu nome é Aline, a mais bela dos lírios...
Uma canção eterna de Amor...

terça-feira, 8 de maio de 2012

sem nome, esperando que você nomeie

Eu um dia sonhei com a possibilidade de expressar com sorrisos,
o que guardo de você em meu coração, 
eu te gravei em mim como quem grava uma canção, 
te deixei tão la dentro tão profundamente
que agora tenho medo de ter te perdido la dentro de mim, 
tão intensamente quanto um dia foi nossas trocas de olhares e caricias...
Enfim, permaneço engasgada, com tudo que deveria ter externado,
 vivido, pedido e dado...

quinta-feira, 22 de março de 2012

Decidi ser forte...

Olhar pro céu e ver, as nuvens a brincar, o sol a sorrir, as aves a planar...
Sim, seria perfeito, lindo e mágico...
Tentador é não pensar que todos os meus dias poderiam ser assim...
Eu paro, penso; putz me vem logo o sorriso,
Aquele sorriso,
Sim exatamente esse que está vindo em teu rosto ao ler isto...
Um sorriso puro, alegre feliz...
A mim não cabe mais a culpa, a dor ou a auto-punição...
Não, não mais...
Você me conquistou e com tudo isto,
Levou a última leva de minha razão...
Decidi ser forte, decidi não chorar mais...
Fazer o que? Seguir em frente...
Esteja você comigo ou não...
Andarei com a mão direita inclinada;
Na espera de que você venha logo atrás;
Sim; para pegá-la e seguirmos juntos...
Um caminho que só ao tempo pertencerá...
Não sinto mais culpa, sinto só...
O sorriso que vem ao meu rosto ao pensar em ti...

segunda-feira, 19 de março de 2012

Desabafo não poético...

Ta doendo, posso chorar?
Por que sempre que penso em alguém;
Esse alguém é você...
Sempre que quero ver alguém, é você...
E sempre que meu sorriso fácil vem,
é exatamente por que eu estou pensando em você...
Será que você sente o mesmo?

sexta-feira, 16 de março de 2012

J.M.R

Minha vida antes de ti,
era um desassossego, uma linha não reta...
Hoje depois de ti, muita coisa mudou;
Meu coração hoje chora,
minha alma anda morta,
A culpa me consola
O medo faz parte do me dia dia
Mas o sentimento que carrego em minha mente;
Não desmente meu sorriso ao te ver...

domingo, 11 de março de 2012

Você

Apareceste tão de si,
Tão teu, nada meu...
cheio de valores, cheio de alma
tuas ideias gestos e de tudo
Feições, não apenas, mas o conjunto
Roubaste-me a inocência
Presenteaste-me  com a culpa
A mácula, o peso na consciência
Não és meu, assim como não fui tua...
Foi tudo um lapso?
Pra ti não sei, para mim o que?
Uma escolha um caminho
do qual ainda não consigo voltar; preciso?
Diga-me mostre-me, estou perdida
Teu beijo, sim, o beijo;
Mudou-me por dentro, deu-me algo
Algo do qual ainda não sei falar
Do qual nem ao menos possuo palavras
Roubaste-me um beijo, uma noite inteira com ele...