quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

você, meu anjo e meu carrasco...


Eu pressinto a dor que virá de tuas palavras;
Eu consigo sentir a brisa da maldade em seu olhar,
Da falta de amor de teus toques...
Da malicia de teu coração...
Das mentiras que me contas aos beijos que me tomas...
A falsidade das juras de amor que fazes todo tempo...
Mas também prevejo o amor que te tenho,
A afeição que me causaste...
O amor, carinho afeto e o desejo de você...
roubaste-me de mim, destruísse meu amor próprio...
Minha alma pervertesse, engoli meu orgulho,
e expresso de mim palavras vazias,
não te culpo, quando na verdade, eu a tenho...
A culpa de te permitir entrar em mim...
Da forma intensa da qual fizeste...
Te amo e agora nada mudará o amor que te tenho...
A não ser você mesmo...